A Associação Parkinson do RS - APARS, fundada em 2002, tem o propósito de contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas afetadas pela doença de Parkinson e de seus familiares. É uma entidade sem fins lucrativos, políticos ou religiosos, de caráter beneficente e educativo. Sobrevive unicamente graças à sua contribuição, pois não possui nenhuma outra fonte de receita. Entre as ações que estamos realizando estão: apoio, orientação e informações aos portadores da doença de Parkinson, seus familiares e cuidadores; palestras a cargo de profissionais da saúde, tais como neurologistas, neurocirurgiões, psicólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, nutricionistas, entre outros, e promover ações junto a entidades públicas visando garantir o acesso regular aos medicamentos.
Nossas atividades se desenvolvem na AMRIGS e IPA, os quais nos apoiam e ainda contamos com o suporte do SIMERS e Naturovos.

quinta-feira, 10 de março de 2016

Liberada entrega de remédios por enfermeiros em postos da Capital

Decisão da Justiça atende ao pedido da Prefeitura de Porto Alegre
Metade dos postos da Capital estavam distribuindo medicamentos
Prefeitura de POA entra na Justiça para liberar entrega de remédios

09/03/2016 - A Justiça Federal atendeu ao pedido da Prefeitura de Porto Alegre e liberou a entrega de medicamentos por enfermeiros e técnicos de enfermagem nos postos de saúde da Capital. A decisão desta quarta-feira (9) determina que os remédios sejam disponibilizados imediatamente à população pelos profissionais de enfermagem. Com isso, a distribuição de remédios deve ser normalizada a partir desta quinta-feira (10) nas unidades de saúde.

O Executivo Municipal ingressou na Justiça na segunda-feira (7), questionando a resolução do Conselho Federal de Enfermagem (Coren), que impede os profissionais de atuarem na entrega das medicações. A norma do Coren entrou em vigor na semana passada.

O entendimento do órgão é de que os enfermeiros e técnicos de enfermagem não possuem qualificação técnica necessária para disponibilizar remédios à população e que isso configura exercício ilegal da profissão. A entidade defende que o trabalho deve ser feito exclusivamente por farmacêuticos.

De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, apenas metade dos 141 postos de saúde de Porto Alegre estavam distribuindo remédios com servidores da área administrativa, enquanto a justiça não se manifestava sobre a ação da prefeitura. As dez farmácias distritais do município também estavam entregando medicamentos. Fonte: Clic RBS.

Nenhum comentário: