A Associação Parkinson do RS - APARS, fundada em 2002, tem o propósito de contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas afetadas pela doença de Parkinson e de seus familiares. É uma entidade sem fins lucrativos, políticos ou religiosos, de caráter beneficente e educativo. Sobrevive unicamente graças à sua contribuição, pois não possui nenhuma outra fonte de receita. Entre as ações que realizamos estão: apoio, orientação e informações aos portadores da doença de Parkinson, seus familiares e cuidadores; palestras a cargo de profissionais da saúde, tais como neurologistas, neurocirurgiões, psicólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, nutricionistas, entre outros, e promover ações junto a entidades públicas visando garantir o acesso regular aos medicamentos.
Nossas atividades se desenvolvem na AMRIGS e IPA, os quais nos apoiam e ainda contamos com o suporte do SIMERS e Naturovos.

terça-feira, 26 de maio de 2015


Depressão aumenta o risco de Parkinson


Estudo mostrou que 1% das pessoas com depressão desenvolveram Parkinson, enquanto apenas 0,4% das pessoas sem a condição desenvolveram a doença. (Crédito: Reprodução)Estudo mostrou que 1% das pessoas com depressão desenvolveram Parkinson, enquanto apenas 0,4% das pessoas sem a condição desenvolveram a doença. (Crédito: Reprodução)
Pesquisadores da Universidade Umea, na Suécia, mostraram que pessoas com depressão correm um risco maior de desenvolver o mal de Parkinson em comparação aos que não têm o distúrbio. O estudo foi publicado no periódico científico Neurology. A pesquisa, que começou em 2005, analisou 140 mil participantes com idade a partir de 50 anos, todos com depressão. Ao longo do levantamento, cada um deles foi comparado com outras três pessoas da mesma idade e sexo, mas sem a doença.
Os resultados mostraram que 1% das pessoas com depressão desenvolveram Parkinson, enquanto apenas 0,4% das pessoas sem a condição desenvolveram a doença. Embora os números pareçam baixos, os pesquisadores ressaltaram que o Parkinson não é uma enfermidade comum na população.
O novo trabalho também sugere que pessoas com depressão desenvolvem Parkinson mais cedo do que aqueles sem a doença. Além disso, quanto mais severa a depressão, maior o risco. Por exemplo: as pessoas que foram hospitalizadas em função da depressão tinham um risco três vezes maior de serem diagnosticadas com Parkinson do que os doentes que não precisaram ser internados. E, quanto maior o número de hospitalizações por depressão, maior era o risco sofrer do mal.
Hipóteses.
Os pesquisadores levantam algumas hipóteses para explicar essa relação. De acordo com Peter Nordstrom, um dos autores da pesquisa, uma delas estaria associada à lesão causada ao cérebro pela depressão. Outra: a depressão pode ser um sintoma que precede a manifestação do mal. O Parkinson é resultado da perda de células cerebrais, sobretudo as que produzem dopamina. A condição afeta os movimentos do corpo causando tremores, rigidez muscular e diminuição do equilíbrio. Fonte: Jornal O Sul.

Nenhum comentário: