A Associação Parkinson do RS - APARS, fundada em 2002, tem o propósito de contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas afetadas pela doença de Parkinson e de seus familiares. É uma entidade sem fins lucrativos, políticos ou religiosos, de caráter beneficente e educativo. Sobrevive unicamente graças à sua contribuição, pois não possui nenhuma outra fonte de receita. Entre as ações que realizamos estão: apoio, orientação e informações aos portadores da doença de Parkinson, seus familiares e cuidadores; palestras a cargo de profissionais da saúde, tais como neurologistas, neurocirurgiões, psicólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, nutricionistas, entre outros, e promover ações junto a entidades públicas visando garantir o acesso regular aos medicamentos.
Nossas atividades se desenvolvem na AMRIGS e IPA, os quais nos apoiam e ainda contamos com o suporte do SIMERS e Naturovos.

sábado, 3 de janeiro de 2015

Para aliviar as contas

Esperemos que o secretário estadual da saúde do RS,  João Gabardo, tenha força política suficiente para evitar o desabastecimento da Farmácia de Medicamentos Especiais, que para ficar pior, só falta isto.

Fiquemos atentos, pois as notícias correntes não são alvissareiras. In Clicrbs.

A matéria jornalística cita a suspensão do pagamento de distribuidores de medicamentos  dentre outros.

------------------------------------------------------
Para aliviar as contas
Sartori assina decreto que prorroga pagamento de contas
O decreto também trata de uma série de restrições para gastos com passagens aéreas, diárias, consultorias e horas extras

por Carlos Rollsing
02/01/2015 | 16h00
Sartori assina decreto que prorroga pagamento de contas  Kelly Matos / Rádio Gaúcha/
Esse dinheiro será mantido em caixa para ajudar a manter em dia a folha de pagamento
Foto: Kelly Matos / Rádio Gaúcha
O governador José Ivo Sartori assinou, por volta das 15h desta sexta-feira, o decreto que prorroga por 180 dias o prazo para a quitação de restos a pagar herdados da gestão de Tarso Genro. Durante o período, Sartori deixará em aberto o pagamento de fornecedores e prestadores de serviço, valor que chegou a ser estimado pelo governo em R$ 700 milhões.
Erro no hino, protestos e chimarrão: os bastidores da posse
Esse dinheiro será mantido em caixa para ajudar a manter em dia a folha de pagamento. O decreto também determina restrições nos gastos com diárias, passagens de avião, alugueis, consultorias e compras futuras em geral, além do congelamento de nomeações e abertura de concursos públicos. Também, neste caso, o objetivo é reduzir custos.
Veja fotos da posse de Sartori:
Único a se manifestar após a assinatura do decreto, o secretário da Fazenda, Giovani Feltes, procurou minimizar a gravidade da situação financeira. Ele evitou confirmar que o pagamento do funcionalismo está ameaçado nos primeiros meses de governo, o que vinha sendo sustentado até agora.
Pressão de aliados continua após posse de Sartori
Disse que os meses de janeiro e fevereiro serão mais tranquilos pelo ingresso de receitas do IPVA. A dificuldade maior deverá ser em março em abril, onde, tradicionalmente, há queda de receita.
Feltes descartou a possibilidade de os fornecedores e prestadores de serviço sofrerem calote. Ele garantiu que todos serão pagos dentro do prazo estabelecido pelo decreto e afirmou que tentativas de negociações serão feitas para antecipar o pagamento de credores que aceitarem discutir descontos.
Aumento de salários de políticos deve ser mantido
Sobre o aumento de salários que a Assembleia concedeu aos deputados, secretários, vice-governador e governador, Feltes disse que se trata de uma medida do Legislativo, ressaltando a sua autonomia. Ao falar isso, indicou que Sartori deverá sancionar nos próximos dias os reajustes aprovados pelos deputados.
Também será feita em breve uma manifestação de Sartori sobre o projeto que acabou com o pagamento de auxílio-moradia aos magistrados do Poder Judiciário, que aguarda sanção ou veto dele. Feltes confirmou que o governo irá procurar os demais poderes para pedir ajuda na contenção de despesas do Estado.

Nenhum comentário: